MISSÃO NEW HORIZONS DA NASA REVELA UM NOVO TIPO DE MUNDO

Imagens do objeto do Cinturão de Kuiper, Ultima Thule revelam os primeiros estágios da história do Sistema Solar.

Esta imagem tirada pelo Imageador de Reconhecimento de Longo Alcance (LORRI) é o mais detalhado de Ultima Thule retornado até agora pela espaçonave New Horizons. 

Ela foi tirada em 1 de janeiro de 2019, 30 minutos antes da aproximação mais próxima, com um alcance de 28.000 quilômetros, com uma escala original de 730 pés (140 metros) por pixel. 

Crédito: NASA / Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins / Southwest Research Institute

 

A primeira imagem colorida do Ultima Thule, tirada a uma distância de 137.000 quilômetros em 1º de janeiro de 2019, destaca sua superfície avermelhada. 

À esquerda, uma imagem colorida aprimorada tirada pela Câmera de Imagem Visível Multiespectral (MVIC), produzida pela combinação dos canais infravermelho próximo, vermelho e azul. A imagem central obtida pelo Imageador de Reconhecimento de Longo Alcance (LORRI) possui uma resolução espacial mais alta do que a MVIC em aproximadamente um fator de cinco. À direita, a cor foi sobreposta à imagem LORRI para mostrar a uniformidade de cores dos lóbulos Ultima e Thule. Observe a coloração vermelha reduzida no pescoço do objeto. 

Crédito: NASA / Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins / Southwest Research Institute

 

Cientistas da missão New Horizons da NASA divulgaram as primeiras imagens detalhadas do objeto mais distante já explorado – o objeto do Cinturão de Kuiper, apelidado de Ultima Thule. Sua aparência notável, diferente de tudo que já vimos antes, nos ajudará a entender os processos que construíram os planetas há quatro bilhões e meio de anos.

“Este sobrevoo é uma conquista histórica”, disse o pesquisador-chefe da New Horizons, Alan Stern, do Southwest Research Institute, em Boulder, Colorado. “Nunca antes uma equipe de naves espaciais rastreou um corpo tão pequeno em tão alta velocidade tão longe no abismo do espaço. A New Horizons estabeleceu uma nova barreira para a navegação de naves espaciais de última geração.”

As novas imagens – tiradas a uma distância de até 27.000 quilômetros de aproximação – revelaram Ultima Thule como um “binário de contato”, consistindo de duas esferas conectadas. De ponta a ponta, o mundo mede 31 quilômetros de comprimento. A equipe apelidou a esfera maior “Ultima” ( 19 quilômetros de diâmetro) e a esfera menor “Thule” (14 quilômetros de diâmetro).

A equipe diz que as duas esferas provavelmente se juntaram a 99% do caminho de volta para a formação do Sistema Solar.

“New Horizons é como uma máquina do tempo, nos levando de volta ao nascimento do Sistema Solar. Estamos vendo uma representação física do início da formação planetária, congelada no tempo”, disse Jeff Moore, líder da equipe de Geologia e Geofísica da New Horizons. “Estudar Ultima Thule está nos ajudando a entender como os planetas se formam – tanto aqueles em nosso Sistema Solar quanto aqueles orbitando outras estrelas em nossa galáxia.”

Os dados do sobrevoo do continuarão a chegar nas próximas semanas e meses, com imagens de maior resolução ainda por vir.

“Nos próximos meses, a New Horizons irá transmitir dezenas de conjuntos de dados para a Terra, e escreveremos novos capítulos na história do Ultima Thule – e do Sistema Solar”, disse Helene Winters, Gerente de Projetos da New Horizons.

Fonte: http://pluto.jhuapl.edu/News-Center/News-Article.php?page=20190102

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s