NOVA LINHA DO TEMPO PARA O CAMPO MAGNÉTICO ANTIGO DE MARTE

Crédito: CC0 Public Domain

O campo magnético global de um planeta surge do que os cientistas chamam de dínamo: um fluxo de metal fundido dentro do núcleo do planeta que produz uma corrente elétrica.

Na Terra, o dínamo é o que faz as agulhas apontarem para o norte. Mas o dínamo de Marte está extinto há bilhões de anos.

Novas descobertas de pesquisadores da UBC que trabalham com colegas nos EUA e na França, publicadas no Science Advances , nos aproximam de saber o tempo e a duração precisos do dínamo de Marte.

“Descobrimos que o dínamo marciano operava há 4,5 bilhões e 3,7 bilhões de anos atrás. O tempo do dínamo é uma grande parte da evolução de um planeta, e o que descobrimos é muito diferente do que pensamos até agora”, disse Anna Mittelholz, pesquisadora de pós-doutorado no departamento de ciências terrestres, oceânicas e atmosféricas da UBC e primeira autora do estudo. “O dínamo nos diz algo sobre a história térmica do planeta, sua evolução e como chegou até onde está hoje, e é único para cada um dos planetas terrestres – Terra, Marte, Vênus e Mercúrio”.

Pistas sobre a história magnética de um planeta estão em rochas magnetizadas sobre e abaixo de sua superfície.

A rocha é como um gravador, especialmente rochas vulcânicas. Elas começam como lava, mas à medida que esfriam e solidificam na presença de um campo magnético, os minerais dentro das rochas se alinham com o campo magnético global.

Ao datar essas rochas, os cientistas podem estimar se um dínamo estava ativo no momento em que a rocha foi formada.

O magnetismo em certas rochas na superfície de Marte indica que o dínamo marciano estava ativo entre 4,3 e 4,2 bilhões de anos atrás, mas a ausência de magnetismo em três grandes bacias formadas 3,9 bilhões de anos atrás levou a maioria dos cientistas a acreditar que o dínamo estava inativo por esse tempo.

Os pesquisadores da UBC analisaram novos dados de satélite e encontraram evidências claras de um campo magnético proveniente do fluxo de lava Lucus Planum que se formou há menos de 3,7 bilhões de anos atrás – muito mais tarde que as bacias mencionadas.

Os pesquisadores também detectaram campos magnéticos de baixa intensidade sobre a Bacia Borealis, no hemisfério norte do planeta, formado a 4,5 bilhões de anos atrás, e acredita-se que seja uma das características mais antigas de Marte.

“Temos essas duas observações que apontam para um dínamo o mais cedo possível na história de Marte, e um dínamo que estava presente meio bilhão de anos depois que muitas pessoas pensaram que ele já havia se desligado”, disse Catherine Johnson, professora do departamento de ciências terrestres, oceânicas e atmosféricas e cientista sênior do Instituto de Ciências Planetárias em Tucson, Arizona, que também contribuiu para o estudo.

Os pesquisadores oferecem duas explicações possíveis para a ausência de campos magnéticos nas bacias: o dínamo pode ter parado antes das bacias se formarem e depois reiniciado antes da formação de Lucus Planum, ou os impactos que criaram as bacias simplesmente deslocaram a porção de crosta que contém minerais que pode carregar forte magnetismo.

Os novos dados para este estudo vêm do MAVEN, o satélite Mars Atmosphere e Volatile Evolution.

Dados anteriores sobre magnetismo em Marte foram coletados pelo satélite Mars Global Surveyor (MGS), que orbitou o planeta entre 1999 e 2006, a 400 quilômetros acima da superfície.

O MAVEN, lançado em 2013, opera a menos de 135 quilômetros da superfície e capta sinais mais fracos que o MGS não conseguiu detectar.

A capacidade do MAVEN de captar sinais de recursos menores na superfície e perto dela ajuda os pesquisadores a distinguir se o magnetismo é proveniente deles ou de rochas mais antigas enterradas mais profundamente na crosta do planeta.

Essas novas ideias fazem com que os pesquisadores se perguntem o que poderia ser revelado se eles se aproximarem ainda mais.
Este estudo se concentrou em duas características particulares, mas as crateras permanecem por todo o planeta com histórias para contar.

No futuro, a exploração poderá progredir de satélites a drones ou balões, fornecendo dados ainda mais detalhados.

Fonte: https://phys.org/news/2020-05-timeline-ancient-magnetic-field-mars.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s