PESQUISA SUBMILIMÉTRICA DE PROTOESTRELAS

A formação de estrelas envolve as complexas interações de muitos fenômenos, incluindo colapso gravitacional, campos magnéticos, turbulência, feedback estelar e rotação das nuvens. 

O equilíbrio entre esses efeitos varia significativamente entre as fontes, e os astrônomos adotaram uma abordagem estatística para entender a sequência típica de formação de estrelas em estágio inicial. O estágio inicial é chamado de estágio proto-estelar. 

Para estrelas de baixa massa (aquelas com massas próximas à do sol), esse estágio é geralmente separado em duas subclasses à medida que a estrela cresce, acumulando material de um invólucro massivo cujo tamanho pode se estender entre quinhentas e dez mil unidades astronômicas (AU) em um processo que pode durar cerca de meio milhão de anos. 

No entanto, existem incertezas consideráveis: algum gás é ejetado de volta ao meio em fortes vazões, por exemplo.

A falta de um amplo e sistemático levantamento dessas fontes dificultou a identificação dos múltiplos processos. 

Os astrônomos da CfA Ian Stephens, Tyler Bourke, Mike Dunham, Phil Myers, Sarah Sadavoy, Katherine Lee, Mark Gurwell e Alyssa Goodman lideraram uma equipe usando o Submillimeter Array para compilar e publicar a maior pesquisa de linha espectral submilimétrica pública de jovens protoestrelas . 

A equipe observou 74 objetos jovens na nuvem molecular Perseus, localizada a cerca de 1000 anos-luz de distância. O programa, chamado MASSES (Montagem em Massa de Sistemas Estelares e sua Evolução com a SMA), observou as protoestrelas com alta e baixa resolução espacial, escalas de amostragem de cerca de trezentos UA a mais de nove mil UA em até quarenta linhas moleculares (embora nem todas as fontes tenham todas as linhas).

Essa região já havia sido estudada anteriormente e era conhecida por ter muitos fluxos protoestelares bipolares, mas as novas imagens de alta resolução revelam uma riqueza de propriedades de fluxo, principalmente como visto no gás de monóxido de carbono. 

O estudo examinou seis desses objetos que são tão jovens que ainda não estão quentes o suficiente para dissociar seu gás constituinte primário, o hidrogênio molecular. 

Essas protoestrelas são conhecidas como “primeiros núcleos” e o programa MASSES detectou vazões em quatro deles, identificando um como o exemplo mais promissor de seu tipo, devido à sua natureza compacta e à velocidade lenta de vazão. 

Este novo estudo, a maior e mais completa pesquisa pública do gênero, oferece aos astrônomos um novo banco de dados para estudar a formação de estrelas de baixa massa em seus estágios iniciais.

Mais informações: Ian W. Stephens et al. Montagem em massa de sistemas estelares e sua evolução com a SMA (MASSES) —Full Data Release, The Astrophysical Journal Supplement Series (2019). DOI: 10.3847 / 1538-4365 / ab5181

Fonte: https://phys.org/news/2020-02-submillimeter-survey-protostars.html

Minhas redes sociais:

YouTube

Instagram

Twitter

Facebook

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s