Telescópio ALMA captura imagem da galáxia espiral mais antiga conhecida até agora.

Galáxia BRI 1335-0417 
Créditos: ALMA (ESO / NAOJ / NRAO), T. Tsukui e S. Iguchi

Os cientistas capturaram uma imagem da galáxia espiral mais antiga conhecida, que se formou a cerca de 12,4 bilhões de anos.

A galáxia, oficialmente chamada de BRI 1335-0417, foi registrada pelo telescópio Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA) no Chile. Esta é a galáxia espiral mais antiga conhecida até agora, quebrando o recorde em um bilhão de anos.

Isso mostra que as galáxias espirais se formaram antes de 1,4 bilhão de anos após o Big Bang.

A foto foi tirada como parte de um estudo publicado na revista Science, revisada por pares, na quinta-feira, 20 de maio de 2021.

“Isso nos faz recuar no tempo em que sabíamos que as galáxias começaram a se parecer com as galáxias dos dias modernos em cerca de 1 bilhão de anos”, disse o Dr. Kai Noeske, oficial de comunicações da Agência Espacial Européia e pesquisador de galáxias distantes.

Galáxias espirais têm estruturas internas distintas, incluindo uma protuberância estelar, disco e braços espirais. Não se sabe quando na história cósmica essas estruturas se formaram.

Galáxias espirais
Créditos:  ESO/P. Grosbø

Galáxias espirais são formas mais maduras de galáxias.

Nas primeiras fases das formações, a matéria escura reúne o gás quente em pequenos aglomerados que criam estrelas. Eles se fundem para criar galáxias maiores, que são irregulares e deformadas.

Eventualmente, essas galáxias podem começar a girar, criando galáxias semelhantes a discos.

Galáxias espirais se formam quando o disco começa a ser perturbado.

Os pesquisadores analisaram as observações de BRI 1335–0417, uma galáxia com intensa formação estelar no Universo distante, no redshift 4,41. A cinemática do gás mostrou um aumento acentuado da velocidade próximo ao centro da galáxia e uma morfologia espiral de dois braços, que se estende de cerca de 2 a 5 quiloparsecs de raio. Eles interpretaram essas características como devido a uma estrutura compacta central, como uma protuberância; um disco giratório de gás; e braços espirais ou caudas de maré. Essas características se formaram 1,4 bilhão de anos após o Big Bang, muito antes do pico da formação de estrelas cósmicas.

“O interessante sobre isso, além de parecer realmente bonito, é que, nesses braços espirais, o gás está sendo comprimido. Portanto, eles são na verdade um catalisador para desencadear a formação de uma nova estrela”, disse Noeske.

“Você não pode formar uma estrela e / ou um planeta em algum lugar no espaço”, disse Noeske. “Sem as galáxias, não haveria humanos. Faz parte da nossa história.”

O paradigma atualmente aceito é que a formação de galáxias atingiu o pico cerca de 3,3 bilhões de anos após o Big Bang, quando a maioria das estrelas do universo foi formada.

“É surpreendente que nossos resultados mostrem que BRI 1335-0417 já tem estruturas (estrutura compacta como um bojo, disco, espiral) semelhantes a galáxias próximas, muito antes da fase ativa da formação de galáxias”, Takafumi Tsukui, estudante de graduação na SOKENDAI Universidade no Japão e principal autor do estudo da Science.

A mais antiga galáxia espiral conhecida observada antes do estudo de quinta-feira foi vista pelo telescópio ALMA em 2019. Se formou 2,5 bilhões de anos após o Big Bang, cerca de um bilhão de anos depois da BRI 1335-0417.

“Nosso resultado atualizará nosso conhecimento de como e quando as galáxias se formam e evoluem para a galáxia madura observada hoje, incluindo a Via Láctea”, disse Tsukui.

Fontes:

Business Insider.

Science

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s