TELESCÓPIO CANADENSE DESCOBRE NOVAS EXPLOSÕES DE RÁDIO RÁPIDAS (FRBS)

chime-2_web (1)
Observatório de rádio CHIME, no Canadá  Crédito: Andre Renard / Instituto Dunlap / CHIME

 

Um radiotelescópio no Canadá provou sua competência em encontrar muitos novos exemplos de explosões de rádio rápidas (FRBs) – dando aos astrônomos uma de suas melhores fotos, mas desvendando o mistério desses flashes cósmicos.

“Veja! Vemos FRBs”, disse Deborah Good, astrônoma da Universidade da Colúmbia Britânica em Vancouver, no Canadá, em uma reunião da American Astronomical Society em Seattle, Washington, no dia 7 de janeiro de 2019.

Good relatou os primeiros resultados do Experimento Canadense de Mapeamento da Intensidade de Hidrogênio (CHIME), um telescópio que foi originalmente projetado para explorar o Universo primordial, mas acabou sendo ideal para a detecção de FRBs. Visto pela primeira vez em 2007, os FRBs são um dos mistérios mais intrigantes da astrofísica. Eles aparecem em todo o céu e os astrônomos não sabem o que os causa.

Em apenas dois meses de testes iniciais no ano passado, antes de iniciar as operações completas, o CHIME detectou 13 FRBs. Antes disso, os astrônomos tinham entre 50 e 60 exemplos.

Quanto mais FRBs os astrônomos encontrarem, maior a chance de começarem a determinar o que os causa. “Se tivéssemos 1.000 exemplos, poderíamos dizer muito mais coisas sobre como FRBs são”, disse Good.

O CHIME também detectou o segundo FRB conhecido que se repete, o que significa que os flashes de rádio reaparecem no mesmo ponto no céu. Ele viu o repetidor aparecer pelo menos cinco vezes, o primeiro em 14 de agosto de 2018, disse Good. “Estamos muito animados”, disse ela à reunião.

única outra FRB repetida conhecida é aquela que apareceu pela primeira vez em 2012. Parece originar-se em uma galáxia a cerca de 2,5 bilhões de anos-luz da Terra. Encontrar um segundo repetidor confirma que o primeiro não foi algum tipo de evento estranho.

O CHIME também detectou o FRB de menor frequência conhecido até agora, disse Good. Apareceu em comprimentos de onda de 400 milihertz, quebrando o recorde anterior de 700 milihertz. Caçadas anteriores com outros telescópios não haviam encontrado nenhum FRB nesses comprimentos de onda menores, mas o CHIME detectou um com dois de seus quatro feixes, sugerindo que a descoberta é sólida.

O estudo de FRBs de frequência mais baixa e o modo como sua radiação é espalhada no caminho para a Terra podem revelar mais sobre o ambiente em que as rajadas nasceram. Isso inclui se há muito gás turbulento, como em uma região de formação de estrelas.

O observatório CHIME está localizado fora de Penticton, British Columbia. Consiste em quatro antenas semicilíndricas de 100 metros de comprimento que parecem um half-pipe para snowboarding. A instalação opera 24 horas por dia e examina todo o céu do norte todos os dias – dando-lhe uma excelente chance de capturar FRBs transitórios. A abundância de detecções veio quando o instrumento ainda não estava em plena sensibilidade, o que sugere que ele poderia localizar até dezenas de FRBs a cada dia.

Os resultados aparecerão na  Nature em 9 de janeiro de 2019.

Fonte: https://www.nature.com/articles/d41586-019-00049-5

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s