VULCÕES DE GELO CONTINUAM ATIVAMENTE EXPELINDO MATERIAL EM CERES

O vulcão de gelo de 4 km de altura Ahuna Mons (em cima) é visível, projetando-se acima da superfície cratera do planeta anão Ceres.  Imagem: NASA / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA

Na ciência, uma descoberta geralmente leva a mais questionamentos e mistérios. E isso acontece com os vulcões de gelo no planeta anão Ceres . Quando a sonda Dawn descobriu o enorme vulcão criogênico chamado Ahuna Mons na superfície de Ceres, isso levou a mais perguntas.

O planeta anão Ceres é algo especial. É o único planeta anão a ser examinado de perto por uma espaçonave, e o único corpo crio-vulcânico a ser estudado de perto. A sonda Dawn da NASA chegou à Ceres em 2015 depois de visitar o asteroide Vesta. Em 2016, cientistas da NASA revelaram a existência de um enorme crio-vulcão em Ceres chamado Ahuna Mons.

Observação feita pela Dawn revelou algo interessante sobre os 4 quilômetros de altura Ahuna Mons: é muito jovem, geologicamente falando. Tem apenas 200 milhões de anos, enquanto a própria Ceres tem 4,5 bilhões de anos. Embora Ahuna Mons não esteja mais ativa, foi ativa no passado recente. A juventude de Ahuna Mons, e o fato de ser o único vulcão visível no gelo, era um mistério para os cientistas. Seria muito estranho que um planeta ficasse dormente por 4,3 bilhões de anos, e de repente explodisse em apenas um lugar.

Um estudo da Universidade do Arizona (UA), liderado pelo cientista da UA, Michael Sori, ajuda a explicar o mistério do vulcão de gelo Ceres. Sori e seus co-autores da UA, Ali Bramson e Shayne Byrne, descobriram que os vulcões de gelo em Ceres ainda estão ativamente produzindo material. O estudo deles também explica por que não podemos ver nenhum remanescente de vulcões mais antigos na superfície de Ceres.

De acordo com o estudo, qualquer evidência visível de vulcões de gelo antigos é apagada por um processo conhecido como “relaxamento viscoso”. Um material viscoso é algo que flui, como a água. Fluidos mais espessos, como mel e ketchup, também são viscosos, levam mais tempo para fluir. O gelo também é viscoso e aqui as geleiras da Terra são a prova disso.

Ceres é principalmente rocha e gelo, então Sori e sua equipe teorizaram que os vulcões mais antigos simplesmente relaxam em uma não-forma, devido à viscosidade de sua composição de gelo / rocha. O teor de gelo e a temperatura determinariam a rapidez com que eles sucumbiriam ao relaxamento viscoso. Quanto maior o teor de gelo, e quanto maior a temperatura, mais cedo o vulcão de gelo desapareceria.

Há flutuações de temperatura na superfície de Ceres, embora nunca fique mais quente que -30 F. Os pólos permanecem frios, mas as temperaturas no equador são mais variáveis. “Os pólos de Ceres estão frios o suficiente para que, se você começar com uma montanha de gelo, não relaxe”, disse Sori. “Mas o equador é quente o suficiente para que uma montanha de gelo possa relaxar em escalas de tempo geológicas.”

Sori criou simulações para testar a teoria do relaxamento viscoso. Nesses modelos, os vulcões de gelo próximos aos pólos ficaram congelados para sempre. Mas longe dos pólos, os vulcões de gelo formaram formas altas e íngremes, mas caíram em formas curtas e largas ao longo do tempo.

O próximo passo foi vasculhar os dados de Dawn procurando formas de terra que combinassem com as simuladas. Ceres tem cerca de 3,4 milhões de quilômetros quadrados de área de superfície, e Sori e sua equipe encontraram 22 montanhas que combinavam com as das simulações.

“A parte realmente emocionante que nos fez pensar que isso pode ser real é que encontramos apenas uma montanha no pólo”, disse Sori. Yamor Mons está no pólo e tem a mesma forma que Ahuna Mons. Mas Yamor Mons é atingido por crateras de impacto, o que é um testemunho de sua velhice. Yamor Mons não cedeu ao relaxamento viscoso devido à sua localização no pólo gelado. Yamor Mons é cinco vezes mais largo do que alto, e outras montanhas em Ceres estão de acordo com as previsões do modelo. Eles são ainda mais largos do que isso.

A equipe foi então capaz de determinar a idade das montanhas comparando-as com os modelos. Usando a topografia das montanhas, Sori calculou seu volume. O próximo passo foi combinar idade e volume, e determinar a taxa de formação ou vulcões de gelo em Ceres. “Descobrimos que um vulcão forma a cada 50 milhões de anos”, disse Sori.

A equipe calculou uma média de 11.900 metros cúbicos de material crio-vulcânico a cada ano, o que é suficiente para encher quatro piscinas olímpicas.

Comparado ao vulcanismo da Terra, isso não é muito material. Ceres é muito menor que a Terra e as erupções não são tão violentas quanto as erupções vulcânicas terrestres. Em Ceres, os vulcões produzem crio-magma, uma mistura salgada de rochas, gelo e outros voláteis, como a amônia. Ela escorre para a superfície, formando o equivalente a uma cúpula de lava aqui na Terra. Com o tempo, esses vulcões de gelo simplesmente se afundariam devido ao relaxamento viscoso.

As causas dos vulcões de gelo em Ceres não são bem compreendidas. Ceres é o primeiro corpo crio-vulcânico a ser estudado de perto. Outros corpos no Sistema Solar são provavelmente crio-vânicos, como Europa e Encelado, mas ainda não foram estudados de perto. “Pode haver semelhanças entre Europa e Ceres, mas precisamos enviar a próxima missão para lá antes que possamos dizer com certeza”, disse Sori.

O artigo de Sori foi publicado na revista Nature Astronomy.

Fonte: https://www.universetoday.com/140030/ice-volcanoes-on-ceres-are-still-actively-blasting-out-material/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s