Visão Detalhada da Nebulosa Carina

 

179099_web

A cerca de 7500 anos-luz de distância, na constelação de Carina, encontra-se uma nebulosa dentro da qual as estrelas se formam e perecem lado a lado. Moldada por esses eventos dramáticos, a Nebulosa de Carina é uma nuvem dinâmica e em evolução de gás e poeira interestelar finamente espalhado.

As estrelas massivas no interior desta bolha cósmica emitem radiação intensa que faz com que o gás circundante brilhe. Por outro lado, outras regiões da nebulosa contêm pilares escuros de poeira ocultando estrelas recém-nascidas. Há uma batalha entre estrelas e poeira na Nebulosa Carina, e as estrelas recém-formadas estão ganhando – elas produzem radiação de alta energia e ventos estelares que evaporam e dispersam os viveiros estelares empoeirados nos quais eles se formaram.

Abrangendo mais de 300 anos-luz, a Nebulosa Carina é uma das maiores regiões de formação estelar da Via Láctea e é facilmente visível a olho nu sob o céu escuro.

Para aqueles que vivem no hemisfério norte, está 60 graus abaixo do equador celeste, portanto, é visível apenas no hemisfério sul.

Dentro desta intrigante nebulosa, Eta Carinae se destaca como o sistema estelar mais peculiar. Este gigante estelar – uma forma curiosa de binário estelar – é o sistema estelar mais energético desta região e foi um dos objetos mais brilhantes do céu nos anos de 1830. Desde então, ele se desvaneceu dramaticamente e está chegando ao fim de sua vida, mas continua sendo um dos sistemas estelares mais massivos e luminosos da Via Láctea.

Eta Carinae pode ser vista nesta imagem como parte da luz brilhante logo acima da ponta em forma de “V” feita pelas nuvens de poeira. Diretamente à direita de Eta Carinae está a relativamente pequena Nebulosa Keyhole – uma nuvem pequena e densa de moléculas frias e gás dentro da Nebulosa Carina – que abriga várias estrelas massivas, e cuja aparência também mudou drasticamente nos últimos séculos.

A Nebulosa Carina foi descoberta no Cabo da Boa Esperança por Nicolas Louis de Lacaille na década de 1750 e um grande número de imagens foram tiradas dela desde então.

O VISTA – Telescópio de Pesquisa Visível e Infravermelho para Astronomia – adiciona uma visão detalhada sem precedentes sobre uma grande área; sua visão infravermelha é perfeita para revelar as aglomerações de estrelas jovens escondidas dentro do material empoeirado que serpenteia através da Nebulosa Carina.

Em 2014, o VISTA foi usado para identificar quase cinco milhões de fontes individuais de luz infravermelha dentro desta nebulosa, revelando a vasta extensão deste terreno estelar.

O grande espelho de campo amplo de visão e detectores extremamente sensíveis  do telescópio VISTA permitem que os astrônomos  revelem uma visão completamente nova do céu do sul.

Créditos da imagem:

ESO / J. Emerson / M Irwin / J. Lewis

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s