Novo Mistério Descoberto Sobre o Asteroide Phaethon

5b36140634868

 

Com base em um novo estudo de como o asteroide Phaethon, da Terra, reflete a luz em diferentes ângulos, os astrônomos acreditam que sua superfície pode refletir menos luz do que se pensava anteriormente. Este é um mistério empolgante para a recém-aprovada missão DESTINY + investigar quando ela passar por Phaethon.

A maneira como um objeto reflete a luz não depende apenas de seu albedo (a porcentagem de luz que ele reflete), mas também do ângulo de iluminação. Um efeito particular que os cientistas estão interessados ​​é como a polarização muda quando a luz solar reflete a superfície de um asteroide. Cientificamente, a luz é referida como ondas eletromagnéticas; as ondas criam mudanças nos campos elétrico e magnético. As direções dessas mudanças podem ser aleatórias ou alinhadas. Quando os efeitos eletromagnéticos da luz estão alinhados, a luz é dita polarizada.

Uma equipe internacional, incluindo astrônomos do Observatório Astronômico Nacional do Japão (NAOJ), Universidade Nacional de Seul, Instituto de Tecnologia de Chiba e outros institutos, usou o Telescópio Pirka de 1,6 m no Observatório Nayoro, em Hokkaido, no Japão, para observar o asteroide próximo da Terra. Eles estudaram as mudanças na polarização da luz que refletiu em muitos diferentes ângulos de iluminação. Os resultados mostram que, em alguns ângulos, a luz refletida de Phaethon é a luz mais polarizada já observada entre os pequenos corpos no Sistema Solar.

Descoberto em 1983, Phaethon foi indicado para ser o corpo dos pais da chuva de meteoros Geminídeos. A maioria dos corpos dos pais de meteoros são cometas, mas Phaethon não mostra atividade típica de cometas. Em vez disso, é um asteroide ativo com ejeções de poeira confirmadas. Ele também tem uma cor surpreendentemente azul. O fato de sua luz refletida estar fortemente polarizada é mais um mistério em torno desse curioso asteroide.

Uma explicação possível para a forte polarização é que a superfície do Phaethon pode ser mais escura do que o esperado. Superfícies de asteroides são cobertas com entulho solto. Quando a luz refletida pela superfície áspera atinge outra parte da superfície e é refletida novamente antes de ser refletida em direção ao observador, essas múltiplas dispersões randomizam a polarização. O Dr. Ito, do NAOJ, um líder da equipe de pesquisa, explica: “Se o albedo é menor do que se pensava anteriormente, isso reduziria a eficácia de múltiplas dispersões; portanto, a luz fortemente polarizada que só foi refletida uma única vez dominaria”.

Outras possibilidades que poderiam reduzir a eficácia de dispersões múltiplas são que os entulhos que cobrem a superfície de Phaethon podem ser compostos de grãos maiores, ou o material pode ser mais poroso que o esperado. Um mecanismo possível para produzir grãos grandes é a sinterização. A superfície do Phaethon pode ser aquecida até 1000 graus Celsius durante a sua passagem mais próxima do Sol. Esse aquecimento extremo pode causar sinterização na superfície de um asteroide, resultando em grãos mais grossos.

A sonda DESTINY + da Agência de Exploração Aeroespacial do Japão, programada para ser lançada em 2022, tirará fotos enquanto voa por Phaethon para ajudar os astrônomos a caracterizar melhor sua geologia de superfície.

Esses resultados de observação foram publicados na Nature Communications em 27 de junho de 2018.

Sobre a imagem: Concepção artística da luz polarizada refletida pelo asteróide Phaethon. A missão DESTINY está programada para investigar Phaethon. Crédito: NAOJ

Fonte: https://phys.org/news/2018-06-mystery-asteroid-phaethon.html#jCp

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s