Equipe Descobre como Micróbios Sobrevivem em Salas Limpas e Contaminam Espaçonaves

Equipe descobre como micróbios sobrevivem a salas limpas e contaminam espaçonaves
Na imagem, engenheiros trabalham no Opportunity em uma sala limpa no Kennedy Space Center. Uma parte muito importante da proteção planetária é impedir que os contaminantes dos seres humanos andem a bordo de espaçonaves. Os engenheiros retratados na imagem estão usando “trajes de coelho” que só permitem que seus olhos sejam expostos. (Crédito: NASA/JPL)

 

Rakesh Mogul, professor de química biológica Cal Poly Pomona, foi o principal autor de um artigo na revista Astrobiology que oferece a primeira evidência bioquímica que explica a razão pela qual a contaminação persiste.

O professor de Química Gregory A. Barding, Jr., foi um colaborador e segundo autor do artigo.

Os outros 22 co-autores são todos estudantes da Cal Poly Pomona.

Nas instalações de salas limpas, a NASA implementa uma variedade de medidas de proteção planetária para minimizar a contaminação biológica de espaçonaves.

Essas etapas são importantes porque a contaminação por microorganismos baseados na Terra pode comprometer as missões de detecção de vida, fornecendo resultados falso-positivos.

Apesar dos extensos procedimentos de limpeza, no entanto, análises genéticas moleculares mostram que as salas limpas abrigam uma coleção diversa de microrganismos, ou um microbioma de espaçonave, que inclui bactérias, archaea e fungos, explicou Mogul.

O Acinetobacter, um gênero de bactérias, está entre os membros dominantes do microbioma da espaçonave.

Para descobrir como o microbioma da espaçonave sobrevive nas instalações da sala limpa, a equipe de pesquisa analisou várias cepas de Acinetobacter que foram originalmente isoladas das instalações da sonda Mars Odyssey e Phoenix.

Eles descobriram que sob condições muito restritas de nutrientes, a maioria das cepas testadas cresceram e biodegradaram os agentes de limpeza usados ​​durante a montagem da espaçonave.

O trabalho mostrou que as culturas cresceram com álcool etílico como única fonte de carbono, enquanto exibiam tolerâncias razoáveis ​​em relação ao estresse oxidativo. Isso é importante, pois o estresse oxidativo está associado a ambientes dessecantes e de alta radiação, semelhantes a Marte.

As cepas testadas também foram capazes de biodegradar álcool isopropílico e Kleenol 30, dois outros agentes de limpeza comumente usados, com esses produtos potencialmente servindo como fontes de energia para o microbioma.

Para proteção planetária, isso indica que etapas de limpeza mais rigorosas podem ser necessárias para missões focadas na detecção de vida e destaca a necessidade potencial de usar reagentes de limpeza diferentes e rotativos que sejam compatíveis com a espaçonave para controlar a carga biológica.

Fonte: https://m.phys.org/news/2018-06-team-microbes-survive-rooms-contaminate.html

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s